Ênfase na arte - Explorando o uso da ênfase visual em obras de arte

John Williams 27-05-2023
John Williams

A utilização da ênfase visual é um dos aspectos mais importantes de uma obra de arte. Neste artigo, vamos analisar a ênfase e o seu papel como um dos princípios da arte, bem como fornecer alguns exemplos de arte com ênfase.

O que é a ênfase na arte?

A ênfase na arte é um dos vários princípios da arte, que são utilizados juntamente com a elementos da arte Este último é descrito como as suas "ferramentas visuais", compreendendo a cor, a forma, a linha, a forma, o espaço, a textura e o valor. É importante não se confundir com os elementos e princípios da arte Estes últimos utilizam os elementos para criar uma composição unificada.

Os princípios compreendem o equilíbrio, o contraste, a ênfase, a harmonia, o movimento, o padrão/repetição, a proporção, o ritmo, a escala, a unidade e a variedade, sendo também descritos como um conjunto de "critérios" que ajudam a analisar uma obra de arte de um ponto de vista objectivo.

Este princípio refere-se à forma como vários elementos são aplicados para chamar a nossa atenção, a dos espectadores, para um ponto focal específico. Normalmente, existe apenas um ponto focal, mas podem existir vários numa composição, como veremos nos exemplos de arte com ênfase fornecidos abaixo. No entanto, é encorajado a explorar ainda mais exemplos de ênfase na arte empara compreender a miríade de formas de aplicação desta técnica.

Não existe um modelo único para todos, e é isso que torna este princípio tão versátil e divertido de trabalhar.

Como utilizar a ênfase na arte

Existem várias técnicas para aplicar a ênfase na arte, nomeadamente, o contraste, a convergência, a separação ou o isolamento, a criação de excepção e a subordinação.

Contraste

A criação de um contraste entre os objectos de estudo realçará o ponto focal, o que pode ser aplicado através de vários elementos como a cor, o valor, a linha ou a textura. No entanto, a maioria dos elementos artísticos pode ser aplicada estrategicamente para criar ênfase na arte.

A cor pode ser utilizada de três formas, nomeadamente, "complementares", embora sejam opostas na roda das cores A cor "isolada" refere-se à utilização de uma cor que chama a atenção; e a cor "ausente" refere-se à exclusão da maioria das cores para dar ênfase a uma cor.

Um exemplo de utilização de contraste pode ser um guarda-chuva amarelo brilhante numa composição cinzenta. Outros exemplos de Ênfase em arte visual incluir Impressão, nascer do sol (1872), e Campo de papoilas (1873) do artista impressionista Claude Monet.

Impressão, nascer do sol (1872) de Claude Monet; Claude Monet, domínio público, via Wikimedia Commons

No exemplo do trabalho artístico de ênfase acima, Impressão, nascer do sol A nossa atenção é atraída para o laranja brilhante do sol, que também está quase no centro da composição, e as cores circundantes são tons suaves de azuis, verdes e cinzentos. No campo das papoilas Monet chama a nossa atenção para o campo de papoilas vermelhas do lado esquerdo.

Campo de papoilas (1873) de Claude Monet; Claude Monet, domínio público, via Wikimedia Commons

Se olharmos para o artista abstracto Mark Rothko Rothko criou grandes quadrados de cores diferentes sobre tela, por exemplo, Sem título (Vermelho, Azul, Laranja) (1955) ou Laranja e Amarelo (1956). Rothko não só criou ênfase visual através da utilização de cores contrastantes em grandes áreas, como também criou ênfase emocional.

Convergência

A convergência refere-se à utilização de linhas para chamar a atenção para um ponto focal, que é normalmente designado por "ponto de fuga", o que se designa por perspectiva linear. As linhas podem ter comprimentos e curvas diferentes que estão dispostas em padrões específicos, repetições ou sequências que se movem numa direcção, conduzindo o nosso olhar para o que a composição está a realçar.

Existem também linhas "implícitas", o que significa simplesmente que não existem linhas distintas que chamem a nossa atenção para um ponto focal, por exemplo, se uma figura olhar numa determinada direcção, o nosso olhar segui-la-á naturalmente.

A Última Ceia (1495-1498) de Leonardo da Vinci; Leonardo da Vinci, Domínio público, via Wikimedia Commons

Um exemplo de ênfase na arte através da convergência inclui nada mais nada menos que A Última Ceia (1495-1498) de Leonardo da Vinci. Artista do Renascimento O pintor de "O Mundo dos Apóstolos" foi um mestre da perspectiva e, nesta pintura, chama a atenção para a figura centralizada de Jesus Cristo, sentado à mesa, rodeado pelos 12 Apóstolos. Através da convergência das linhas "recuadas" da arquitectura circundante, das paredes, do tecto e das três janelas ao fundo, a figura de Cristo é realçada.

Esta técnica é também designada por perspectiva de um ponto, sendo o ponto de fuga a janela por detrás da cabeça de Jesus Cristo.

Separação/Isolamento

A separação ou isolamento refere-se à colocação do objecto primário da obra de arte separado do resto do objecto. Ao isolar o objecto primário ou o assunto, chamará a nossa atenção para ele, bem como fará com que nós, os espectadores, questionemos o seu significado e sentido dentro do todo maior.

A Separação ou o Isolamento destacam os aspectos principais da obra de arte.

Isto pode ser feito colocando uma figura longe de outras figuras, ou um objecto, quer em primeiro plano quer em segundo plano, ou criando um efeito de contraste, em que o tema principal é mais pequeno do que o resto do tema ou vice-versa.

O exemplo de trabalho artístico de destaque desta técnica inclui O mundo de Cristina (1948) pelo grupo americano Pintor realista Andrew Wyeth. No primeiro plano, vemos a figura feminina solitária com uma vasta extensão de um campo relvado à sua volta, enfatizando ainda mais o seu isolamento, e uma casa ao longe, representada numa escala mais pequena, enfatizando também a figura feminina como protagonista principal da pintura.

Criação de excepção

A palavra "excepção" refere-se a algo que é diferente do resto ou a algo que não segue as regras aceites. Para dar ênfase à arte, isto implica representar o tema principal de forma diferente do resto do tema, de modo a que este se destaque.

Os exemplos podem incluir a colocação de uma forma como um triângulo entre círculos ou a colocação de uma flor entre as fendas do pavimento de uma rua num ambiente urbano.

Um exemplo de ênfase na arte que utiliza a criação de excepção é a pintura surrealista O Filho do Homem (1964) por René Magritte Aqui vemos a figura de um homem com um sobretudo e um chapéu, mas o que nos chama a atenção é a grande maçã verde que cobre o rosto do homem.

Outro exemplo de obra de arte de destaque é a pintura do expressionista alemão Franz Marc intitulada Cavalos azuis grandes (O azul realça os cavalos, uma cor que não esperaríamos para um cavalo, mas Marc também cria aqui uma ênfase emocional através da sua utilização de arranjos de cores.

Cavalos azuis grandes (1911) de Franz Marc; Franz Marc, Domínio público, via Wikimedia Commons

Subordinação

A subordinação refere-se à "diminuição da ênfase" do assunto em torno do assunto principal para criar ênfase no ponto focal. Isto pode ser feito utilizando elementos artísticos como a cor e o espaço. Por exemplo, o ponto focal pode ter uma cor mais brilhante do que o resto do primeiro plano, pode estar bem focado enquanto o fundo está desfocado.

O elemento espaço pode referir-se ao tema principal colocado em primeiro plano numa escala maior em comparação com o tema circundante representado numa escala menor. A subordinação cria simplesmente uma distinção entre o tema principal e o "secundário".

Natureza morta com prato de fruta (1879-1880) de Paul Cézanne; Paul Cézanne, Domínio público, via Wikimedia Commons

Os exemplos de subordinação da arte de ênfase incluem as naturezas-mortas, uma vez que os seus fundos não são tão significativos como os da vanguarda, onde normalmente existem cestos com alimentos ou temas semelhantes. Um exemplo inclui Natureza morta com prato de fruta (1879-1880) de Paul Cézanne.

Outro exemplo de trabalho artístico de destaque é Três de Maio de 1808 (1814) por Francisco Goya A figura central, com as mãos levantadas, é representada com uma fonte de luz a incidir sobre ela e as outras figuras estão na sombra, nomeadamente os soldados, que estão de costas para nós, espectadores.

Três de Maio de 1808 (1814) de Francisco de Goya; Francisco de Goya, Domínio público, via Wikimedia Commons

Resumo da ênfase em arte

Ênfase em técnicas artísticas Características Exemplos de trabalhos artísticos de ênfase
Contraste Para realçar a ponto focal numa composição podem ser utilizados vários elementos artísticos para criar um efeito de contraste para dar ênfase. Impressão, nascer do sol (1872) de Claude Monet

Azul, laranja, vermelho (1961) de Mark Rothko

Convergência A utilização de linhas para chamar a atenção do observador para um ponto focal ou para enfatizar um ponto focal, o que se designa por perspectiva linear. A Última Ceia (1495 a 1498) de Leonardo da Vinci
Separação/Isolamento Refere-se à separação ou isolamento do assunto principal para aumentar a ênfase. O Mundo de Cristina (1948) por Andrew Wyeth
Criação de excepção A colocação ou representação, muitas vezes estranha, não natural ou invulgar, do tema principal para o realçar ou para dar ênfase a uma ideia na composição. Cavalos azuis (1911) de Franz Marc
Subordinação Isto refere-se a "tirar a ênfase" do assunto em torno do ponto focal principal para o realçar. Natureza morta com prato de fruta (1879 a 1880) de Paul Cézanne

Neste artigo, explorámos como criar ênfase na arte, que é um dos vários princípios da arte, combinado com as várias aplicações dos elementos artísticos, vemos como as obras de arte podem conter muitos significados. Também é importante notar que não é apenas a ênfase visual criada, mas através de vários elementos artísticos, a ênfase emocional e psicológica também é criada, especialmente quando um artistapretende explorar estes últimos aspectos numa obra de arte.

Ifigénia em Tauris (1893) de Valentin Serov. Nesta pintura, as ondas a bater criam uma linha cónica que é interrompida pela mulher que olha para o oceano. Ao interromper a linha, a mulher enfatiza a sua posição e faz uma afirmação poderosa; Valentin Serov, Domínio público, via Wikimedia Commons

Normalmente, o que cria ênfase na arte é o contraste, que pode ser transmitido de várias formas, seja através de composições de cores, texturas, tamanho, escala ou espaço, entre outros. Outras técnicas que criam ênfase incluem a convergência, a separação ou o isolamento, a criação de excepção e a subordinação, técnicas retratadas apenas em alguns dos exemplos artísticos de ênfase acima mencionados.

Princípios da arte - Leituras complementares

  • Princípios da arte artigo principal
  • Movimento na arte
  • Unidade na arte

  • Ritmo na arte

  • Textura na arte

  • Proporção na arte

  • Equilíbrio na arte

  • Harmonia na arte

Como vimos nos exemplos de ênfase na arte acima, é um princípio importante da arte que, sem ele, estaríamos a olhar para uma composição sem sentido. Utilizando a diversidade de ferramentas à nossa disposição e aplicando-as estrategicamente, nós, como artistas, podemos criar obras de arte significativas e inspiradoras. Além disso, ao compreender como funciona a ênfase na arte, também estamos melhor equipados paraanalisar todas as pinturas e esculturas importantes de todas as épocas, o que acabará por apurar o seu significado para nós. Assim, ao compreender a ênfase, podemos falar a linguagem do significado na arte.

Leia também a nossa história de arte na Internet.

Perguntas mais frequentes

O que é a ênfase na arte?

A ênfase na arte faz parte dos princípios da arte, consiste em chamar a atenção para o tema principal da composição através da aplicação de vários elementos artísticos como a cor, a linha, a textura, o espaço, a forma, o formato e o valor.

Quais são os exemplos de ênfase na arte?

A ênfase na arte pode ser utilizada de diferentes formas, nomeadamente através da convergência, isolamento ou separação, criação de excepção, subordinação ou contraste.

Quais são os princípios da arte?

Os princípios da arte são um conjunto de regras ou técnicas que funcionam como critérios na composição de obras de arte, sejam elas pinturas, desenhos ou esculturas: contraste, variedade, harmonia, ritmo, escala, equilíbrio, movimento, padrão ou repetição, unidade e ênfase.

John Williams

John Williams é um artista experiente, escritor e educador de arte. Ele obteve seu diploma de bacharel em Belas Artes pelo Pratt Institute na cidade de Nova York e, mais tarde, fez seu mestrado em Belas Artes na Universidade de Yale. Por mais de uma década, ele ensinou arte para alunos de todas as idades em vários ambientes educacionais. Williams exibiu suas obras de arte em galerias nos Estados Unidos e recebeu vários prêmios e bolsas por seu trabalho criativo. Além de suas atividades artísticas, Williams também escreve sobre temas relacionados à arte e ministra workshops sobre história e teoria da arte. Ele é apaixonado por encorajar os outros a se expressarem através da arte e acredita que todos têm capacidade para a criatividade.