Filme: Nasce uma Estrela [Review]

Filme: Nasce uma Estrela [Review]

Algumas histórias são tão clássicas que acabam indo e vindo para serem apresentadas a um novo público, sejam com uma nova roupagem ou com uma linguagem diferente. Na sua quarta versão pro cinema, Nasce uma Estrela narra a jornada e estágios de dois artistas de uma maneira tocante e cativante.

Após um grande show, o renomado cantor Jackson Maine (Bradley Cooper) acaba conhecendo Ally (Lady Gaga) que se apresentava despretensiosamente em um bar de drags. Fascinado pelo talento e personalidade da insegura artista, ele começa a incentivar que ela cante suas próprias composições, colocando a garota em suas apresentações. Enquanto a ajuda, Jackson percebe que também está sendo ajudado a lidar com seus próprios demônios. No elenco Sam Elliot, Andrew Dice Clay e Rafi Gavron.

Apesar de ambientada nos dias de hoje, a trama está aos moldes de filmes antigos de romance, bem simples e até um tanto previsível. Mesmo assim a direção imersiva do próprio Bradley Cooper consegue dar um brilho as cenas, seja aumentando o som nos momentos de show para você se sentir no meio da galera, usando um personagens para conduzir a câmera até um novo local ou mesmo dando espaço para que os atores possam desenvolver os diálogos e expressões corporais. Todas são sacadas interessantes que agregam personalidade a película. Nem preciso dizer que as músicas são excelentes, principalmente “Shallow”, que fica na sua cabeça por muito tempo após sair do cinema. Elas não são colocadas aleatoriamente como na maioria dos musicais, onde as pessoas saem cantando até pra limpar a casa. Aqui as músicas aparecem no contexto, deixando tudo um pouco mais realista do que se costuma ver no gênero.

Estava preocupado com a atuação de Gaga, mas posso dizer que ela consegue encarnar bem uma personagem cheia de sonhos e fragilidade, revestida com uma carapaça durona que não a deixa levar desaforos pra casa. Bradley Cooper sempre foi um bom ator e, o fato de estar a frente da direção não prejudicou em nada seu talento. Ele convence bem nas apresentações tocando instrumentos e cantando, mostrando que deve ter estudado bastante para fazer este papel de cantor country já num ponto estabelecido da carreira. Sua química com Lady Gaga é muito boa, os momentos dos dois juntos são muito naturais e cativantes. Ambos os personagens têm talento, mas estão em pontos diferentes no que buscam alcançar, o que acaba gerando boa parte do conflito desenvolvido ao longo da história. Os personagens periféricos são bem clichês, fazendo com que você perceba a função deles na história no exato segundo que eles aparecem em tela.

Se você gosta de romance e boas músicas, terá um prato cheio em Nasce uma Estrela. Em muitos momentos ele te envolve de maneira safada, te fazendo comprar facilmente a emoção que quer passar. Não acho que todos os filmes precisam ter uma trama inovadora e inédita, muitas vezes uma fórmula bem contada cumpre bem seu papel.

Deixe um comentário

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.