Filme: Era uma vez um Deadpool [Review]

Filme: Era uma vez um Deadpool [Review]

Versões alternativas de filmes que fazem sucesso são comuns, geralmente lançadas pro homevideo, mas ocasionalmente também vão para o cinema anos após seu lançamento. Era uma Vez um Deadpool traz novamente o herói mais debochado da Marvel em versão light, mas será que isto era necessário no mesmo ano de lançamento do filme original?

Nesta versão do filme, o mercenário e anti-herói Deadpool (Ryan Reynolds) sequestra o ator Fred Savage, famoso pelo antigo seriado Anos Incríveis, e conta-lhe a história do filme Deadpool 2 como se fosse um conto de fadas. A trama tem Deadpool em busca de sentido para sua vida após a morte de sua namorada Vanessa (Morena Baccarin), encontrando no meio do caminho o implacável mutante Cable (Josh Brolin) que veio do futuro para assassinar um garoto. No elenco Zazie Beetz, Terry Crews, T. J. Miller, Brianna Hildebrand e Bill Skarsgard.

O primeiro filme de Deadpool ficou famoso por trazer um tipo de humor e violência incomuns nos filmes de super-heróis, tornando-se um grande sucesso mesmo com um orçamento baixo. Seria estranho se sua sequência fugisse dessa regra, logo Deadpool 2 estreou este ano com o mesmo nível de escatologia e sarcasmo apresentados no anterior, trazendo novos personagens como o mutante Cable, que serviu como escada para várias piadas do herói fanfarrão. Como já comentei o filme AQUI, vou focar nos diferenciais e peculiaridades apresentadas nesta nova versão.

Tiraram todo o sangue, desmembramentos, piadas sexuais e palavrões, o que evidentemente causou um grande problema no ritmo do filme, principalmente nas cenas de ação. Você ainda consegue entender a trama e o que está acontecendo, mas fica presente uma sensação esquisita de ausência. As sketches inseridas com Deadpool e Fred Savage são muito boas, elevando a metalinguagem já presente no filme a uma escala bem maior. Eles falam sobre os próprios cortes e edições, sobre a venda da Fox para Disney, e até mesmo sobre pontos clichês da trama comentados em críticas e fóruns da internet. Outro ponto interessante é uma nova cena pós-créditos inserida, que está BEEEEM no fim do filme mas vale a pena esperar (ou busque na internet que já vazaram por aí).

Mas a questão é: esta versão precisava ser lançada no cinema ou poderia estar junto de uma edição especial em Blu-ray? Entendo que a justificativa seja apresentar o filme para um público mais novo, só que as crianças que eu conheço assistiram o filme por outros meios, e não sei se irão ao cinema para ver tudo novamente sem o material mais pesado. Como acredito que esta versão não deve ter custado muito para ser feita (só tiveram que gravar as cena no quarto com Fred e editar novamente o material bruto) qualquer lucro obtido será um ganho.

Mesmo sendo um lançamento recente para uma nova versão, Era uma vez um Deadpool vai agradar aos fãs do mercenário e é uma boa pedida para quem quer apresentá-lo a alguém que ficaria chocado demais com a versão original. Não sei como será a recepção do público a este filme, mas ao menos ele terá poucos concorrentes como Aquaman e BumbleBee (se tivesse algo da Marvel Studios ou Star Wars a história seria outra).

Deixe um comentário

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.