ArgCast #104 – Caverna do Dragão

ArgCast #104 – Caverna do Dragão

Espadas, escudos, arcos, claves e mantos mágicos em mãos, Fabiano “Prof. Nerd” Silveira recebe Ana Recalde, Tiago “Coisinha Verde” Jurges e Vagner “Vagnerd” Abreu para relembrarem as manhãs em que uma das ùnicas coisas que valiam à pena no Xou da Xuxa eram os empolgantes episódios da série animada Caverna do Dragão, desenho baseado no clássico sistema de RPG Dungeons & Dragons.

Os episódios mais inesquecíveis, os personagens carismaticos, e as diversas teorias de como a série poderia terminar, se ela terminou, e, a pergunta que não quer calar: os jovens aventureiros da série conseguiram voltar para casa ou se estavam mortos desde o início?

E ainda:
– Qual das duas garotas da Caverna do Dragão você apresentaria para os seus pais como sua namorada?
– Qual roteirista dos quadrinhos do Batman escreveu Caverna do Dragão?
– O que O Retorno de Jedi e Caverna do Dragão tem em comum?
– Como deter um dragão de 5 cabeças com um tapete?
– O Vingador tinha asas atrofiadas ou éra um “poser”?

Links relacionados:

Caverna do Dragão: REQUIEM (Quadrinização do roteiro feita pelo brasileiro Reinaldo Rocha);
Canal Caverna do Dragão no YouTube;

E NÃO PERCA O RASTRO DO ARGCAST na INTERNET!


SIGA-NOS
 no TWITTER: @cursodehq ou @Argcast

CURTA NOSSA PÁGINA no FACEBOOK

Baixe AQUI Episódio 104, ou escute no nosso player abaixo!

Deixe um comentário

comments

7 thoughts on “ArgCast #104 – Caverna do Dragão

  • Teve um episódio em que os garotos tiveram que se unir ao VIngador… pra enfrentar um mau comum, depois que venceram num momento de vulnerabilidade dos garotos, o Vingador os deixou em paz honrando o acordo deles (feito pra derrotar o inimigo) todos ficaram surpresos…

    Ai o Mestre dos Magos, num momento forever alone… diz pra si mesmo (com a cãmera focando nele):

    “Ele nem sempre foi mal, meu filho”

  • Ótimo programa, excelente.

    Caverna do Dragão é tão bom, que até hoje a Globo mantem os direitos da série, é o único desenho que vejo eles desde a decada de 90 a passar várias vezes. E ouso dizer que se a galera Ben10 pegar uma sessão de CAverna do Dragão eles gostarão, algo que creio ser dificil de ocorrer com He-man e Thundercast clássico.

    Sobre mestrar D&D, sou triste neste quesito, pois nunca consegui montar um grupo, no ensimo médio no qual participei de uma mesa como halfling ladino.

  • Difícil um tema mais nerd que isso (digo isso no bom sentido, claro). Caverna do Dragão é uma coisa que esteve na infância de muita gente (até pq as reprises são infindáveis, hehehehehehe) e com certeza muita gente.

    Entre Sheila e Diana, assim como a Aninha, eu tbém tive fases de gostar mais de uma ou de outra. No começo achava a Sheila mais atraente, ruiva e de pintinhas… Mas depois a Sheila atraia mais, pernas de fora, bem flexível…

    O Hank nunca foi o que eu admirava, achava ele CHATOPRACARALHO. Me divertia mais com a dupla cômica Presto-Eric.

    E sobre o Bob, realmente como vcs comentaram é a mesma história dos sidekicks: tinha que ter um personagem onde as crianças pudessem se “ver” no desenho…

    Parabéns pelo tema!

  • Um dos melhores desenhos já feitos, lado à lado com Thundercats e Transformers – quase todas as aventuras tem enredos incrivelmente atuais, mesmo depois de 30 anos. Por sinal, a trilha sonora é um show à parte.

    Considero a 1ª e 2ª temporada excelentes, mas na 3ª eles começam a chutar o pau da barraca.

    —–

    Essa história do Vingador ser filho do Mestre dos Magos não faz sentido – isso quer dizer que
    o vingador também é pai da Karena (a suposta Irmã do vingador do episódio Cidadela das Sombras/3ª temp) mas pouco se importa com ela. E se ainda assim o é, das duas umas: ou o Mestre dos Magos éra um péssimo pai que não soube educar seus filhos; ou confirma que ele não passa de um “fdp” e seus filhos puxaram a ele!

    Ao meu ver, o Vingador deveria ser um Paladino, o maior e melhor discípulo do Mestre, que foi incapaz de evitar que se corrompesse (virou um Paladino Caído, possívelmente por influência “Aquele em que o nome não deve ser pronunciado”). A história seria uma busca pela redenção para todos, em especial aos os jovens – estes que antes vivam o típico universo jovem norte-americano dos anos 80 (consumista, fútil e sem privações) por meio dessa aventura repleta de privações, iriam conhecer a verdadeira amizade e amadurecimento.

    Tanto que série é uma sequência de lições de moral muito bem contadas. Em especial eu cito o episódio A Prisão Sem Muros, que me quebrou paradigmas, mudando minha forma de ver o mundo (lembrando que eu era uma criança e cresci vendo essa animação). Por sinal, essa “prisão” é muito parecida com o Homem-Coisa da Marvel Comics (co-produtora da animação).

    Acho que apenas não gostava dos episódios O Jardim de Zinn e em especial As Crianças Perdidas.

    —–

    O personagem masculino que mais gostava éra o Eric, pois foi o que mais amadureceu durante os episódios: de um começo insuportável até chegar a ser mais sensato que o Hank – enquanto este último éra o bonzão que gradativamente começa a ter sérias dúvidas sobre si.

    Já o personagem feminino que mais gostava, sempre foi a Diana – desde pequeno detestava gente chorona e depresiva como a Sheila.

    E obviamente o personagem mais detestável éra a Uni (as vezes junto com o Bob).

    —–

    Só pra constar, apesar de não saber que criatura é, a Fera do Pântano não é um Bullywug (que por sinal, são inimigos frequentes deles) como citado.

    —–

    Vendo com a maturidade de hoje, como Lost é igual ao desenho Caverna do dragão, ainda mais se a tal história Requiém fosse verdade (Jacob = Mestre dos Magos e Vingador = Homem Fumaça).
    Mas aprendi vendo a Ilha da Fantasia e Caverna do Dragão a ficar com o pé atrás com anões misteriósos 😀

    —–

    Aleiúpi e Catrrrrash para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.