Sarjeta do Terror #7 – EC Comics parte 2: O auge

Sarjeta do Terror #7 – EC Comics parte 2: O auge

capapost7

A EC comics, em seus primeiros anos contou com uma leva de publicações de muito sucesso, entre elas Crypt of Terror (logo depois renomeada para Tales From the Crypt) The Vault of Horror e The Haunt of Fear, mas ainda havia muitas outras. Quadrinhos de guerra como Frontline Combat e Two-Fisted Tales geralmente focavam-se em histórias nada heróicas que fugiam do americanismo tradicional, enquanto Shock SuspenStories lidavam com temas como racismo, sexo, drogas e o “American Way of Life”, com uma pegada que lembrava os filmes noir. Mas a editora publicamente se orgulhava de seus títulos voltadas para a ficção científica, como Weird Science e Weird Fantasy, que publicavam histórias inusitadas em comparação com as “space operas” publicadas em títulos sci-fi de outras editoras.

Entre os temas mais recorrentes das revistas da EC, estavam situações comuns com uma reviravolta irônica ou sinistra, geralmente uma justiça poética pelos crimes do protagonista; gêmeos siameses (sim, este era um tema popular e bastante recorrente nos primeiros anos da EC); adaptações de histórias de ficção científica de Ray Bradbury e histórias com uma mensagem política, que se tornou comum nas histórias de ficção científica e suspense da editora (entre os tópicos dentro deste tema encontravam-se condenações sem julgamento, antissemitismo e corrupção política).

Mas com certeza o tema mais proeminente na EC Comics era, de longe a sátira que, ora era encontrada na crítica política, ora no humor negro das situações cotidianas que acabavam mal, mas que deram origem àquela que talvez seja a revista mais famosa da editora: MAD.

mad26aCriada em 1952, a MAD tinha como foco específico a sátira e a paródia. Começou como uma HQ e dois anos depois se tornou uma revista no formato magazine, mas sempre com o mesmo foco. A popularidade da MAD se deu porque ela foi publicada em um momento bastante propício, onde os americanos careciam de revistas com teor de sátira política uma vez que, em meio da paranóia da Guerra Fria, a censura aos meios de comunicação era uma realidade presente. Mas nem tudo foram flores para a MAD, que recebeu diversos processos por conta de seu humor ácido, crítico e muitas vezes ridicularizador. A revista MAD, como vocês devem saber, dura até hoje, mesmo após a desativação da EC Comics, o que mostra a força da publicação.

Infelizmente, mesmo com o sucesso e com temas populares, um monstro muito pior do que qualquer um que figuraria nas histórias da EC iria pôr um fim à editora.

Curiosidades:

– MAD foi, por muito tempo, a revista mais bem-sucedida do mercado americano a publicar totalmente sem a ajuda de publicidade. Isto era ótimo para os artistas, que podiam criticar sem dó a cultura de massa e do consumismo sem sofrer represálias nem ter que se conter;

Alfred E_ Newman_jpgAlfred Newman, o rosto famoso que estampa as capas da MAD apareceu na revista pela primeira vez em 1954. O que pouca gente sabe é que este rosto não foi criado pela editora, ele já existia nas pictografias americanas há décadas, sendo de uso comum e autoria desconhecida até a EC veiculá-la na revista e passar a ter domínio sobre a imagem.

 

 

 

 

Edições anteriores:

6 – Interlúdio: Garra Cinzenta, horror pulp nacional

5 – EC Comics, parte 1: o início

4 – Asilo Arkham: uma séria casa num sério mundo

3 – A Era de Ouro dos comics de terror

2 – Beladona

1 – As histórias em quadrinhos de terror: os primórdios

Deixe um comentário

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.